Opção para autônomos e profissionais liberais
Administradoras têm mais poder de negociação
Pandemia atrai beneficiários que buscam economia

A pandemia de covid-19 teve impacto significativo no setor de saúde suplementar. Em 2020, a preocupação dos brasileiros com a saúde fez crescer a procura por planos coletivos por adesão, que oferecem opções mais acessíveis para o consumidor e já atendem cerca de 6,3 milhões de pessoas.

De acordo com a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), o número de beneficiários de planos de saúde registrado em janeiro de 2021 é o maior desde 2016. O total de usuários chega a 48 milhões e, desse volume, 81% representam beneficiários de planos coletivos. Nesse cenário, ganha destaque a modalidade dos planos por adesão, que podem ser feitos via associações, entidades e sindicatos de classe.

Grande parte desses contratos é gerenciada por administradoras de benefícios, que representam muitos clientes. Seu conhecimento do negócio, somado ao potencial de representatividade, favorece a negociação frente às operadoras de saúde. A contratação das administradoras é opcional e sua missão é defender os direitos e interesses dos usuários de planos de saúde coletivos.

A atuação das administradoras começa no desenho do melhor plano para os consumidores vinculados a empresas ou associações de classe profissionais, passando pela comercialização dos produtos até a sua gestão financeira, técnica e operacional. Já as operadoras atuam na prestação de serviços ou cobertura de assistências médico-hospitalares.

Atualmente, os planos coletivos atendem cerca de 38,4 milhões de pessoas, sendo que 32,2 milhões de contratos representam os planos empresariais e outros 6,3 milhões, os coletivos por adesão. “O plano de saúde é o 3º maior desejo de consumo do brasileiro, atrás apenas de educação e casa própria [dados do Ibope], mas é claro que é preciso pensar em alternativas adequadas para pessoas nas mais diversas situações financeiras”, explica o presidente da Anab (Associação Nacional das Administradoras de Benefícios), Alessandro Acayaba de Toledo.

Para Acayaba de Toledo, dentre as vantagens do plano de saúde coletivo por adesão está a viabilidade de acesso a pessoas autônomas e profissionais liberais. “É uma modalidade que amplia as opções de acesso a profissionais sem vínculo empregatício ou que trabalham na informalidade. Em tempos de crise econômica, o plano por adesão tem se tornado uma alternativa de assistência médica privada para milhões de brasileiros, como aconteceu neste período de pandemia”, destaca.

MODALIDADE ACESSÍVEL

Segundo o presidente da Caarj (Caixa de Assistência da Advocacia do Estado do Rio de Janeiro), Ricardo Menezes, o plano de saúde coletivo por adesão é uma opção a ser considerada sobretudo pelo custo menor em relação aos planos individuais. “O plano coletivo por adesão é uma opção para aqueles que não têm uma PJ (Pessoa Jurídica). Na minha visão, é muito mais barato e tem mais opções de operadoras no mercado. Há uma procura muito grande da modalidade pela classe dos advogados”, conta. A Caarj tem atualmente 12 mil associados beneficiários de contratos de plano de saúde coletivo por adesão.

As empresas e entidades também são beneficiadas com a atuação das administradoras de benefícios, com a redução dos custos de administração; ampliação do poder de negociação frente às operadoras; suporte técnico sobre direitos e deveres previstos na legislação; e transferência do custo administrativo e risco de inadimplência. A presença das administradoras de benefícios nos contratos é facultativa. A participação nos planos coletivos por adesão corresponde a 6% do total de vidas pelo setor.

A administradora desenha o plano em parceria com a operadora. Ela consegue estabelecer e manter um preço mais acessível porque reúne em um único contrato os usuários de diversas entidades de classe. Isso contribui para a diluição do risco atuarial que interfere no reajuste anual, beneficiando a melhor negociação para obtenção do menor preço”, explica Acayaba de Toledo.

REAJUSTES

De 2012 a 2020, a atuação das administradoras de benefícios em defesa dos usuários de planos de saúde, durante as negociações dos reajustes anuais com as operadoras, conseguiu impor uma clareza de informações, garantindo o equilíbrio do debate por meio de profissionais experientes e qualificados.

Segundo levantamento da Anab, nos últimos 8 anos, a economia entre o valor pedido pelas operadoras para o reajuste anual e o efetivamente cobrado dos clientes das administradoras de benefícios foi de cerca de R$ 6 bilhões. Uma redução de 54%, resultando em uma economia mensal por beneficiário de R$ 131.

De acordo com Acayaba de Toledo, o reajuste médio aplicado pelas administradoras nos contratos –que venceram em 2020 e estão sendo cobrados neste ano– ficou próximo de 15%, após as negociações com as operadoras. Com isso, o valor médio pago pelos beneficiários é de R$ 837.

Além de buscar reduzir os reajustes praticados pelas operadoras, as administradoras atuam na oferta de planos mais acessíveis ao consumidor. Elas possuem um leque variado de produtos que se encaixam nas necessidades de cada tipo de cliente.

Presidente da Anab, Alessandro Acayaba de Toledo, diz que operadoras e administradoras têm criado novos produtos.

NO PLANO DOS BRASILEIROS

Ter um plano de saúde é o 3º maior desejo dos brasileiros, indica pesquisa do Ibope, mas em ano de pandemia, com o comprometimento da renda, o benefício pode pesar no bolso. Por isso, a Anab orientou suas associadas a criarem alternativas para os usuários.

Até o momento, depois do reajuste represado em 2020 e aplicado no início deste ano, foram criados pelo menos 20 novos produtos para atender o consumidor que deseja manter o benefício, com mensalidades acessíveis. A redução dos valores normalmente se dá pela oferta de prestadores médicos de alcance regional, com foco em necessidades locais; e também por parcerias com operadoras verticalizadas – que possuem seus próprios centros de atendimento ao paciente.

“A pandemia motivou as operadoras e administradoras a desenhar novos produtos, com condições e preços mais atrativos, mantendo a qualidade do atendimento e intensificando ofertas de produtos com coparticipação e inovando com planos coletivos por adesão voltados para a família”, detalha Acayaba de Toledo.

Fonte: https://www.poder360.com.br/conteudo-patrocinado/planos-por-adesao-garantem-acesso-a-sistema-de-saude-de-qualidade/
Fala do presidente da ANAB: https://www.linkedin.com/posts/activity-6802929338883825664-kDue

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2021 ANAB

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?